Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

O Arco Base


Varias más oclusões apresentam no plano oclusal uma curva de Spee acentuada. O principal centro de crescimento da mandíbula é o côndilo, determinado por alguns autores como sendo um sentido de crescimento para cima e para trás, deslocando a mandíbula para frente e para baixo. Em um artigo publicado, RICKETTS propôs que o côndilo cresceria para cima e para frente e a mandíbula apresentaria um crescimento arqueal, semelhante aos caracóis e os chifres de cabras montanhesas. Este tipo de crescimento favorece o aumento da curva de Spee agravando a má oclusão.
Algumas análises cefalométricas consideram o plano oclusal uma linha da distal do molar à incisal do incisivo inferior, portanto, para nivelar o plano oclusal, utilizam arcos contínuos incorporados de uma curva spee reversa para extruír os pré - molares. Como conseqüência desta mecânica, os incisivos inferiores são protruídos. Para evitar este efeito indesejado, eram incorporados ômegas na mesial dos molares e ligados aos dentes para não permitir que os incisivos mesializassem, mas esta ação travava o arco, não permitindo o aumento do perímetro da arcada e o nivelamento da curva spee. Nestes casos, para se conseguir uma eficiência mecânica, muitas vezes eram necessárias extrações de pré - molares.
Essa fase extracionista começou a diminuir quando Ricketts analisou que o nivelamento da curva spee com a extrusão de pré - molares, seguida ou não de extrações, alterava o equilíbrio muscular dos pacientes, determinando assim que o plano oclusal deveria ser considerado onde ocorre a maior carga de pressão durante a mastigação, que é na face oclusal dos molares e pré - molares, sendo então chamado de plano oclusal funcional.
No intuito de nivelar a curva de Spee sem extruir os pré - molares e nem avançar os incisivos, RICKETTS e colaboradores criou, no final da década de 1950, o Arco Base, que é considerado a unidade mecânica da Terapia Bioprogressiva. A partir deste arco emanam todos os demais usados nesta Terapia, exceção feita aos arcos seccionados e aos arcos planos que incorporam alças, como o Delta Duplo e o Langlade, e aos Arcos Ideais de finalização.

WTC Brasil